terceirização

Terceirização e postos de combustíveis: entenda a relação e sane dúvidas!

A terceirização era uma das questões que mais tiravam o sono do empresariado. A ausência de regulamentação específica sobre o tema e a constante modificação de entendimentos nos tribunais Brasil afora, tornaram essa prática uma das campeãs de demandas judiciais na Justiça do Trabalho. Nos postos de combustíveis a realidade é a mesma.

Contudo, com a aprovação do Projeto de Lei 4.302/98 e sanção, está em vigor a chamada “Lei da Terceirização” — Lei 13.429/17 —, que veio com o intuito de tentar solucionar as questões envolvendo o tema. Mesmo com a aprovação da lei, as discussões jurídicas sobre a terceirização ainda permeiam sobre a rotina das empresas e dos empregados.

Neste post, vamos falar um pouco mais da relação entre terceirização e postos de combustíveis, a fim de que você sane suas dúvidas e consiga operar conforme impõe a nova legislação. Acompanhe!

O que é a terceirização?

A terceirização nada mais é do que a prática de delegar funções e atividades da rotina da empresa a uma outra pessoa física ou jurídica prestadora de serviços.

Nessa relação, quem contrata os serviços de terceiros é denominado tomador e quem oferta a mão de obra é designado como prestador.

Na prática, a empresa que assume grande parte das responsabilidades legais perante o trabalhador terceirizado é a empresa prestadora do serviço, visto que, na terceirização, esse empregado não tem vínculo empregatício com a empresa tomadora.

O que muda com a entrada em vigor da nova legislação?

A principal mudança trazida pela nova lei de terceirização é a extensão das possibilidades dessa prática. Antes da lei, só era lícito terceirizar serviços que não faziam parte do foco de atuação da empresa tomadora. Ou seja, não era permitido terceirizar atividades-fim, mas apenas atividades-meio.

Por exemplo, o posto, empresa especializada em comercializar combustíveis, não poderia terceirizar a mão de obra de frentistas, já que essa atividade é inerente ao foco da empresa. Contudo, poderia terceirizar a segurança e a limpeza do estabelecimento.

Hoje essa interpretação se ampliou e, agora, é lícito terceirizar qualquer tipo de atividade da empresa — inclusive esse tem sido o ponto que mais tem gerado discussões jurídicas e sindicais, especialmente entre os sindicatos dos frentistas e os defensores da terceirização.

Contudo, o empresário que atua no ramo de postos de combustíveis deve ficar ainda mais atento. É certo que a terceirização vá proporcionar uma redução nos custos operacionais do estabelecimento. No entanto, como houve mudanças na legislação, é essencial que se conheça alguns pontos, para que não sofra com nenhum tipo de problema na hora de terceirizar os seus serviços.

Vejamos o que mudou com a nova lei e que merece a sua atenção:

O que é vedado pela nova lei?

Todos os direitos trabalhistas dos seus empregados permanecem sem nenhum tipo de alteração. Assim, férias, décimo terceiro salário, horas extras e eventuais adicionais (noturno, insalubridade e periculosidade), ainda são responsabilidades do empresário.

Além disso, o empregado que já tem vínculo com a empresa não poderá ser terceirizado. Tal medida coíbe a dispensa dos funcionários para recontratá-los por intermédio de empresas terceirizadas.

Mudaram as regras do trabalho temporário?

Sim! pela lei anterior, o trabalho temporário tinha um prazo de três meses, prorrogáveis por uma única vez e por igual período. Com a aprovação da nova lei, o dispositivo foi alterado, passando a prever um prazo de seis meses, podendo ser prorrogado por mais três meses.

Assim, o proprietário de um posto, por exemplo, poderá contratar um frentista para reforçar o atendimento por um prazo máximo de nove meses.

A responsabilidade subsidiária continua?

Assim como já era o entendimento adotado antes da nova lei, a responsabilidade subsidiária continua a vigorar nas relações de terceirização.

A empresa contratante — no caso, o seu posto de combustíveis — será subsidiariamente responsável por todas obrigações trabalhistas.

Em outras palavras: o empregado terceirizado poderá cobrar eventuais direitos trabalhistas da empresa terceirizada, com a qual possui vínculo, assim como também o poderá fazer em face da empresa tomadora do serviço, caso a terceirizada não honre seus débitos.

E se a prestadora de serviços vier a falir, o que acontece?

Se a empresa prestadora de serviços que você contratou vier, por qualquer motivo, a falir, a sua empresa será responsável por honrar com o pagamento de todos os direitos trabalhistas dos empregados terceirizados que prestavam serviço no estabelecimento.

Guia completo de criação de metas em postos.

Como devo agir na hora de terceirizar atividades-fim no meu posto de combustíveis?

Como vimos, a nova lei trouxe algumas mudanças substanciais na maneira como a terceirização é realizada. Porém, um ponto em especial deve ser analisado por você, empresário do ramo de combustíveis: a questão da responsabilidade subsidiária por débitos e direitos trabalhistas.

Ao optar por terceirizar os serviços do seu posto, é imprescindível agir com cautela, buscando empresas idôneas e que cumpram rigorosamente a legislação vigente.

O momento atual, no entanto, é bem crítico para a terceirização de atividades-fim em postos de combustíveis — como a contratação terceirizada de frentistas. Como essa possibilidade é um fato recente, pode ser que você tenha muita dificuldade para encontrar empresas prestadoras especializadas e, caso encontre, certamente ainda não disporão da experiência necessária para esse tipo de função.

Afinal, o trabalho em postos é perigoso e exige uma série de treinamentos relacionados a segurança no manuseio e acondicionamento de materiais inflamáveis e perigosos —  os quais, muitas vezes, são ministrados pelas próprias distribuidoras.

Desse modo, é indispensável que a empresa contratada tenha total aptidão para prestar esses serviços, evitando que profissionais terceirizados sofram acidentes e gere problemas futuros para o seu posto de combustíveis.

Por fim, a terceirização, que já era bastante comum no dia a dia das empresas, agora passa a ter novos contornos e ganha ainda mais aplicabilidade. Contudo, o empresário deve estar atento às mudanças e buscar sempre por prestadoras experientes e sérias, para que essa seja, verdadeiramente, uma prática vantajosa para o seu negócio.

Agora que você já tem uma boa noção do cenário da terceirização nos postos de combustíveis, o que acha de ir mais longe e conhecer também a respeito das vantagens que a tecnologia pode oferecer para o seu negócio? Temos a ferramenta ideal para melhorar a receita do seu posto por meio de um programa de fidelidade. Entre em contato com a nossa empresa e saiba mais!


Bandeira branca

Vale a pena um posto de combustível funcionar 24h?

Nos negócios há certas escolhas difíceis de tomar. São situações em que a variedade e a complexidade de prós e contras geram grandes incertezas sobre o resultado que se vai alcançar. Um exemplo no caso de postos de combustíveis é definir se haverá funcionamento 24 horas. Trata-se ou não de uma boa escolha?

A resposta até poderia ser meio óbvia, vivemos em uma sociedade que funciona dia e noite. Os grandes centros, em especial, são cidades que nunca dormem: há sempre pessoas nas ruas, a qualquer hora, dispostas a consumir os mais variados produtos e serviços. Então, sim, um posto que funcionasse 24 horas dificilmente deixaria de ter uma procura que justificasse essa opção.

Por outro lado, o Brasil tem duas características que dificultam imensamente esse tipo de operação e que podem trazer resultados muito ruins e, até mesmo, trágicos: a excessiva regulamentação trabalhista e a insegurança urbana.

Neste texto, vamos explicar cada uma dessas variáveis e ajudar a avaliar a conveniência de se ter um posto de combustível que funcione 24 horas por dia.

Mundo em movimento

O crescimento da economia e as evoluções tecnológicas transformaram as cidades em centros pulsantes, onde os mais diversos tipos de pessoas vivem, produzem e consomem, 24 horas por dia.

Em um contexto como esse é mais do que natural que empresas de quase todos os ramos de negócio tenham suas versões 24 horas. Supermercados, padarias, farmácias e até laboratórios de exames clínicos passaram a ter estabelecimentos abertos noite e dia.

Mas em nenhum setor essa prática parece tão natural e disseminada como nos postos de combustíveis das grandes cidades. Em São Paulo, por exemplo, em 2014, 40% dos postos eram 24 horas. Atualmente, esse número caiu por motivos que vamos explicar mais à frente.

Então, a ideia de ter um posto de combustível que abra 24 horas por dia não só faz sentido, como, muito provavelmente, representa o modelo ideal desse tipo de negócio, especialmente nas regiões mais movimentadas dos grandes centros.

Ventos de crise

O problema é que nem sempre os modelos resistem à dura realidade. Em um país como o Brasil, extremamente regulado em sua legislação trabalhista, ter um negócio que funciona durante a noite toda, inclusive nos fins de semana, representa uma considerável alta nos custos em função dos adicionais que precisam ser pagos. E não há negociação entre patrão e funcionários que possa alterar isso.

Essa pressão de custos, claro, não faz bem para o negócio. Além de resultar em aumento de preços, acaba deixando a empresa mais exposta a eventuais crises econômicas, pois não há margem para cortes e negociações.

Foi o que aconteceu em muitas cidades brasileiras durante a crise econômica que se abateu sobre o país desde 2015. Com o aumento do desemprego e a recessão, o consumo diminuiu e as empresas passaram a ter dificuldades ainda maiores para equilibrar a equação financeira.

Com isso, muitas delas se ressentiram da ausência de clientes, recuaram e começaram a fechar mais cedo novamente. Como resultado, menos empregos, menor quantidade de impostos recolhidos e menos serviços disponíveis aos clientes, o que só aprofunda a crise econômica.

Guia completo de criação de metas em postos.

Posto de combustível ameaçado pela violência

Apesar da dificuldade do quadro econômico, ele, nem de longe, é a principal ameaça para os postos de combustível e outros empreendimentos que se propõem a funcionar 24 horas. O medo mesmo é da violência.

O receio de que funcionários e clientes sejam vítimas de bandidos é a principal preocupação dos empresários que desistem de funcionar durante a noite toda. Afinal, existem maneiras de se prevenir para perder a menor quantia em dinheiro possível durante um assalto, como o uso de cofres e o incentivo ao pagamento com cartão de crédito e débito, mas o risco de que a integridade física ou mesmo a vida de pessoas seja ameaçada não é algo com que se possa conviver.

Nesse sentido, fechar cedo é diminuir as ameaças potenciais a seus clientes e funcionários, ainda que isso signifique perder oportunidades de negócio. A situação é tão complicada que até mesmo bares, que, por vocação, são atividades que deveriam se estender noite adentro, estão fechando mais cedo para fugir da violência.

Opções para quem quer tentar

Diante dessa situação, fica claro que ter seu posto funcionando 24 horas por dia é desejável, mas nem sempre aconselhável. A violência disseminada na sociedade e os resultados quase inexistentes da prevenção da criminalidade apontam que essa não é uma escolha.

No entanto, é preciso dizer que há quem encontre soluções para manter os postos abertos dia e noite. É o caso dos estabelecimentos em grandes avenidas, com intenso movimento o dia inteiro. Essa rotatividade e o fluxo constante de clientes ajudam a manter os assaltantes afastados.

Uma opção é associar os postos com outros empreendimentos que funcionem dia e noite, criando uma espécie de “polo 24 horas”, no qual o movimento dos diversos tipos de comércio ajuda a trazer uma sensação geral de segurança.

Há outros estabelecimentos que apostam na vigilância privada como forma de proteção. O uso de seguranças particulares é uma modalidade que cresce; hoje, há 70% empresas do tipo a mais do que há uma década.

Essas são medidas que, claro, não resolvem o problema, mas ajudam a diminuir muito a sua ocorrência. Isso, no entanto, não muda o fato de que postos de combustível e outros estabelecimentos que funcionam dia e noite são visados e podem ser alvo de violência, mesmo com as devidas precauções.

Por exemplo, revendedores de Itabira, MG, se uniram com a PM local e tomaram medidas para coibir a ação dos infratores. Uma das medidas tomada foi a produção de um aviso solicitando que motociclistas desembarquem de suas motos e retirem o capacete antes de serem atendidos. E a prática tem dado certo.

Por isso, antes de tomar a decisão de funcionar por 24 horas, o gestor do posto precisa analisar cuidadosamente o perfil da região onde se encontra e o histórico de violência e assaltos na área, assim como as opções para diminuir a exposição de funcionários e clientes.

Informações importantes sobre a gestão do seu posto de combustível são o principal tema de nossos conteúdos. Siga nosso perfil no Facebook e acompanhe nossas publicações.


Como elaborar um plano de cargos e salários em postos de combustíveis?

Ter um plano de cargos e salários (PCS) é sinal evidente de maturidade na gestão de pessoas de uma empresa. Com os postos de combustíveis, o raciocínio é o mesmo, mas com a diferença de que se trata de um negócio com características muito próprias, o que requer algumas adaptações e um olhar atento para os detalhes do ramo.

Por plano de cargos e salários, entende-se a descrição de todos os cargos de uma empresa com seu respectivo salário ou faixa salarial correspondente a ela. Com ele, tanto a organização como os funcionários passam a saber o que esperar dos processos de desenvolvimento de carreira de cada pessoa.

Uma empresa com um bom plano de cargos e salários tem mais facilidade em promover o engajamento e a cultura organizacionais (à medida que premia aqueles que se identificam com os valores da empesa), diminui o turnover (rotatividade) da mão de obra, retém talentos e passa a operar dentro da média de seu mercado.

Ao mesmo tempo, o PCS ajuda os funcionários a ter uma visão do seu potencial futuro na empresa e estabelece regras claras para o progresso na organização, gerando motivação e compromisso na equipe.

Neste artigo, vamos explicar como funciona um plano de cargos e salários e como os gestores de postos de combustíveis devem adaptá-lo para preencher as necessidades de suas equipes.

Como montar um plano de cargos e salários

Um plano de cargos e salários, como a maioria dos processos estratégicos de uma empresa, começa com a produção de um diagnóstico, isto é, a análise (mais completa o possível) da atual situação da empresa, com base na estrutura de cargos e salários praticada até então.

Em um posto, isso significa listar todas as possibilidades tanto para o pessoal que lida diretamente com o cliente, isto é, os frentistas, como para a equipe de apoio e gestão.

Você vai precisar compor uma tabela elencando os salários, colocar o organograma da empresa no papel e descrever as funções de cada atividade. Além disso, é importante analisar o acordo coletivo da categoria e as tabelas de remuneração regionais publicadas pelos sindicatos locais de frentistas e de outras categorias presentes no seu quadro de pessoal.

Ao seu lado também devem estar o orçamento e o planejamento financeiro da sua empresa. Todas as medidas e definições precisam fazer sentido dentro da “conta” do negócio, isto é, o plano não pode adotar custos que podem inviabilizar a empresa. É preciso ser realista e fazer o melhor possível dentro dos recursos estabelecidos.

Pesquisa

Você pode usar a internet, publicações em geral e a ajuda de consultores para conseguir modelos de PCS utilizados pelo mercado e de pesquisas de cargos e salários já existentes. Outra possibilidade é contratar uma pesquisa específica para o contexto de sua empresa, levando em conta o porte, o faturamento e outras características dos postos em sua região.

Quanto mais adaptada a pesquisa for à sua realidade, maior será a eficiência dela como ponto de partida para a elaboração da tabela, para equiparação das funções ou como fonte de ideias para se diferenciar da concorrência.

De posse dessas informações, fica mais fácil definir as responsabilidades que cada um dos profissionais deve exercitar e como elas ajudam a produzir valor para o seu posto.

Gestão de carreira

Ao elaborar o plano, além de listar e descrever os cargos e salários, é preciso estabelecer quais são os requisitos para uma determinada função. No caso do seu posto, quais são as habilidades necessárias, por exemplo, para um frentista iniciante? E para um gerente?

Determinar o desempenho que se espera de cada um deles e o que precisam alcançar para almejar uma progressão para o cargo é uma das principais obrigações do PCS, que deve facilitar para que eles possam fazer a gestão de sua própria carreira, buscando melhorar nos pontos que realmente fazem diferença no dia a dia.

A descrição deve começar pelo perfil técnico, isto é, a determinação do conjunto de habilidades técnicas e de ferramentas dominadas pelo empregado para que ele possa exercer sua função com qualidade e segurança. Operar os aparelhos do posto, conhecer os produtos que estão à venda e suas indicações são alguns exemplos possíveis de habilidades técnicas .

Também é importante definir o perfil comportamental, ou seja, o conjunto de traços comportamentais necessários para que um funcionário possa ocupar um determinado cargo. Relacionamento interpessoal, capacidade analítica ou postura de líder são exemplos de traços comportamentais que podem ser levados em consideração.

De posse da trilha que norteia a sua carreira, os funcionários poderão concentrar em se desenvolver dentro da empresa e buscar cargos e faixas salariais mais elevados. Funciona como um mapa, uma guia, daquilo que ele precisa fazer para chegar onde quer.

Como implementar o seu PCS

A fase de implantação começa com o engajamento de toda a empresa. Cada profissional da empresa deve saber que o plano está sendo criado, como vai funcionar e que mudanças trará. Isso evita que sejam criadas expectativas irreais ou que a “rádio corredor” passe a distorcer informações.

Desde o início, o gestor deve se preocupar em manter todos informados, usando os canais disponíveis, especialmente as conversas presenciais e reuniões, para explicar cada ponto do novo plano de cargos e salários.

Visão de longo prazo

Implementar um plano de cargos e salários pode ser considerado um desafio de menor complexidade quando comparado a mantê-lo funcionando adequadamente e de forma sustentável. Isso, entre outras coisas, vai demandar análise constante e abertura para fazer ajustes que resultem em melhorias e foco nos resultados no médio e longo prazo.

Essa complexidade pode assustar um pouco no começo, mas os resultados obtidos justificam plenamente o esforço para manter o PCS funcionando e em evolução constante.

Guia completo de criação de metas em postos.

Como os postos se beneficiam do plano de cargos e salários?

Em um negócio em que a fidelidade do consumidor e a conversão de vendas fazem tanta diferença como em um posto de combustíveis, ter um plano de cargos e salários faz uma grande diferença. Isso porque o funcionário, em seu contato com o cliente, acaba sendo o principal representante da empresa.

Então, seguindo a lógica, quanto mais capacitado para a função que exerce e estimulado a se aprimorar constantemente, o funcionário vai trazer melhores resultados e fazer a diferença no encantamento e na fidelização do consumidor.

O plano de cargos é uma das maneiras mais eficientes de chegar a esse cenário, não acha? Então, que tal compartilhar este texto nas suas redes sociais e ampliar a discussão sobre o PCS em postos de combustíveis?

Se quiser saber mais sobre o ClubPetro, clique aqui!


sucessão empresarial

Postos de combustíveis: entenda melhor o que envolve a sucessão empresarial nesse cenário

Alguma vez você parou para pensar em como fará a sucessão empresarial do seu posto de combustíveis? Esse é um assunto que deve fazer parte do seu plano de negócio, afinal, ao escolher um novo gestor para o seu posto, o ideal é que ele continue sendo muito bem cuidado, certo?

Contudo, muitas dúvidas surgem na hora de pensar quem será o sucessor. Por exemplo: qual é o perfil ideal desse sucessor? Passar a tocha para membros da família é uma boa ideia? O que acontece com os funcionários depois que a passagem é feita?

Para responder essas e outras questões, redigimos este artigo, começando pelo melhor entendimento do que é sucessão empresarial.

O que é sucessão empresarial?

A sucessão empresarial ocorre durante a transferência de poder e capital entre o atual dirigente e aquele que vai ocupar esse cargo. Portanto, cabe ao sucessor, seja ele herdeiro, parente ou uma pessoa sem qualquer grau de parentesco, substituir o mandatário.

Portanto, toda e qualquer empresa, além dos cuidados referentes ao mercado, crise e organização, também deve estar atenta à questão sucessória por ser um fator fundamental para o processo de inovação corporativa.

Ter isso em mente é benéfico nos momentos em que a empresa passa por problemas como: investidores desconformes, negócios perdidos, pendências societárias etc.

Por isso, é importante pensar desde já como você fará a transição do seu posto, muito embora essa decisão costume vir quando o dono do negócio se dá conta de que precisa aproveitar melhor a vida, usufruir mais do lazer e relaxamento. Por essa razão, um dos principais motivos de passar a gestão para alguém costuma ser quando problemas de saúde estão envolvidos.

Contudo, não dá para saber quando a saúde vai falhar, não é mesmo? E tão pouco é conveniente colocar qualquer pessoa para gerir o seu negócio. Logo, o planejamento de sucessão deve ser feito com antecipação, levando-se em conta pontos como: personalidade, formação, experiência e aspirações à liderança e sucesso que precisam estar presentes no sucessor.

O tempo ideal para fazer esse planejamento, geralmente, é a cada quatro anos. Dessa forma, evitam-se erros muito comuns, como a contratação de membros da família que não possuem o perfil necessário para gerir o negócio, podendo levá-lo ao fracasso.

Assim, postos de combustíveis também devem se preocupar com o processo sucessório. É fundamental que os empresários tenham conhecimento de que, para seus negócios continuarem prosperando, eles devem ser entregues nas mãos de pessoa competente e de confiança.

Tabela de calibragem: ajude seus clientes a calibrarem corretamente

O que ocorre com os funcionários após a sucessão empresarial?

Quando uma sucessão ocorre, um ponto muito importante deve ser considerado: os funcionários. Afinal, conforme diz o artigo 448 da CLT: “A mudança na propriedade ou na estrutura jurídica da empresa não afetará os contratos de trabalho dos respectivos empregados”.

Hipóteses de sucessão

Esse é o caso em que a sucessão acontece, mas a empresa decide manter o quadro de funcionários. As principais razões pelas quais esse tipo de sucessão acontece são:

  • mudança na razão social;
  • fusão com outra empresa;
  • venda da empresa;
  • mudança na quantidade de sócios;
  • transformação da firma individual em sociedade.

Vínculo contratual

Nesse caso, o contrato é firmado entre o trabalhador e o empregador. Portanto, a não ser que o empregador seja pessoa física — o que não se aplica em postos de combustíveis — o empregado não pode sofrer por conta de qualquer alteração jurídica na estrutura da empresa, conforme diz o artigo 10 da CLT.

Requisitos

Para que a sucessão empresarial aconteça, dois requisitos são indispensáveis:

  • o estabelecimento como unidade econômica passe de um titular para outro;
  • a prestação de serviço pelos empregadores não pode sofrer solução de continuidade.

Responsabilidade da sucessora

A parte sucessora passa a responder pelos créditos trabalhistas da empresa sucedida, mesmo se existir cláusula contratual eximindo-a dessa responsabilidade.

Essa cláusula contratual garante à sucessora propor ações regressivas contra sua antecessora, não eximindo-a de suas responsabilidades quanto a créditos trabalhistas.

Alteração nos registros

Se houver mudança na estrutura jurídica da empresa, ela deve ser anotada na carteira de trabalho, em anotações gerais, informando a alteração que foi feita.

Além disso, a legislação também determina que os registros do livro de funcionários também sejam atualizados. Caso a empresa mude e o empregado permaneça, sua ficha precisa ter o registro original assim como a nova folha de registro.

Equipação salarial

A sucessão empresarial dá aos empregados a possibilidade de reivindicar uma equiparação salarial, conforme aponta o artigo 461 da CLT. Portanto, o sucessor deve estar atento a esse ponto também.

Sucessão empresarial em postos de combustíveis

No caso dos postos, são três principais cenários que podem acontecer:

Sucessão a um parente

Há postos que foram fundados há muito tempo, como em meados do século passado, e que, por isso, tem a gerência passada de geração para geração. Não há problema nenhum o filho herdar o posto do pai, desde que ele tenha conhecimento e capacidade para gerir o negócio, e o mesmo vale para qualquer parente.

Por isso, ao fazer a sucessão para um membro da família, é essencial ter a certeza de que essa pessoa é a mais apta a dar continuidade aos negócios.

Sucessão a um empresário

Nesse caso, a mudança ocorre entre o dono atual e uma pessoa que não possui vínculo familiar, mas que será beneficiada com a sucessão do negócio.

E quando se trata de um empreendimento montado com tanto esforço e dedicação, ele não pode ser passado a qualquer pessoa, correto? Por isso, o cuidado para escolher a pessoa mais apropriada a tomar frente do posto também deve ser dobrado. Tenha certeza de que a pessoa escolhida atenda a todos os requisitos para a gerência da empresa.

Sucessão a uma empresa

Esse último caso pode acontecer quando uma empresa compra o posto. Se a sua intenção for mantê-lo no formato original, mas a proposta da empresa que suceder for mudar o seu escopo, ela pode não ser a sucessora mais adequada.

E então, ficou claro o que envolve a sucessão empresarial em postos de combustíveis? Quer receber outros conteúdos assim no seu e-mail? Então, assine a nossa newsletter! Ou se quiser saber mais sobre o ClubPetro, clique aqui!


assaltos a postos

Revendedores se unem e acabam com os assaltos a postos no interior de MG

Postos de combustíveis são alvos constantes da ação de infratores. Alta quantia em dinheiro e a facilidade de manobra de entrada e saída da pista são facilitadores para que os assaltos aconteçam. Em Itabira, interior de Minas Gerais, uma parceria entre revendedores e Polícia Militar fez com que o índice de assaltos diminuísse consideravelmente. A ação conta com a adesão de todos os revendedores da cidade, o que contribui para seu sucesso. Uma medida simples foi adotada: um aviso em formato de topo de bomba ou adesivo, solicitando o desembarque e retirada do capacete dos motociclistas.

Em maio de 2016, PM e revendedores começaram a se reunir em busca de ações para o fim dos assaltos aos postos, desde então há reuniões regulares para tratar sobre a segurança. A comunicação também é feita através de um aplicativo de mensagens instantâneas. Revendedores e PM se comunicam sobre indivíduos suspeitos, furtos de motos e assaltos nos comércios da região.

“A princípio houve certa resistência dos motociclistas para a solicitação. Mas com a conscientização sobre a importância da medida para a segurança de todos, hoje os clientes já chegam ao posto, retiram o capacete e desembarcam da moto, automaticamente.” relata o Capitão Fernandes, do 26º Batalhão da Polícia Militar de Itabira.

Levantamento da Polícia Militar local, com dados do último trimestre de 2016 comparado ao mesmo período de 2015, mostra que houve uma redução de 92% no número de assaltos a postos. Somada à ação direcionada aos motociclistas, outras ações são sugeridas e repassadas aos frentistas, como: não abordar o motociclista antes da retirada do capacete e desembarque da moto; repassar à PM qualquer atitude suspeita; além do sistema de monitoramento do posto estar bem posicionado, funcionando corretamente e que a comunicação entre posto e PM seja efetiva e rápida.

Para Alexandre Tôrres, gerente do Posto Pires, em Itabira, a medida preventiva foi de extrema importância, para a segurança dos clientes e dos funcionários do posto. “Antes o frentista abordava o motociclista com receio dos assaltos. Hoje, com o aviso informando ao motociclista as exigências para o abastecimento, há mais segurança  para todos”, relata Alexandre.

Clique e tenha acesso ao arquivo para imprimir e implantar em seu posto.


Vale a pena oferecer formas de pagamento diferenciadas para fidelização?

Sim, vale bastante a pena. Mas vamos nos aprofundar mais no assunto. Por que, exatamente, você precisa oferecer várias formas de pagamento em um posto de combustível?

Segundo o site Sebrae Mercados, em 2013, o uso de meios eletrônicos para pagamentos ultrapassou, pela primeira vez, o uso do dinheiro vivo. Espera-se que em 2018 eles sejam usados em metade das compras dos brasileiros.

Diversificar a forma como você recebe dinheiro também influencia o quanto você fatura ao longo do mês. Postos com mais opções e uma estrutura adequada para atender a todos esses clientes costumam ter uma margem de lucro bem maior do que a de seus concorrentes. E para se destacar no mercado, é sempre bom estar um ou dois passos à frente.

Vantagens em oferecer várias formas de pagamento

1. Mais opções para os clientes

A maioria das pessoas que passam por um posto de combustível pode ter mais de uma forma de pagar pelo serviço, mas sempre preferem uma maneira ou outra. Tem gente que não paga nada em dinheiro, apenas débito ou crédito. Se elas forem até o seu estabelecimento e virem que não podem usar o método de sua preferência, é provável que evitem o seu posto no futuro.

Ao oferecer mais opções, você elimina esse problema. Não será mais necessário se preocupar se os seus clientes estão dispostos a pagar sempre em dinheiro. Se eles perguntarem se você aceita tal método de pagamento, seja para o serviço que for, é só dizer “sim”.

2. Evitar perda de vendas

Da mesma forma que algumas pessoas preferem um determinado meio de pagamento, outras não têm opções. Ou elas pagam de tal forma ou não têm como pagar — você certamente não gostaria de ficar com a última opção. Mas se você oferece variedade nas formas de pagamento, não terá de se preocupar com isso.

Além disso, se o seu posto for o único que oferece esses meios de pagamento, você se tornará a melhor opção para vários clientes naquele local, ou seja: uma chance de aumentar as vendas. Aceitar cartão de crédito pode se tornar o seu diferencial diante de alguns concorrentes, o que pode ser o suficiente para te deixar ainda mais à frente.

3. Aumento do faturamento

Como você já deve ter notado, mais opções significam mais pagamentos, que equivalem a mais lucros. No fim das contas, investir no seu negócio para aceitar outras formas de recebimento não vai custar muito. Pelo contrário: vai garantir muito mais rentabilidade ao longo do mês.

Claro que, para fazer esse investimento, você vai precisar saber quais são os métodos que seu público prefere. Uma rápida pesquisa de opinião pode resolver completamente esse problema.

Como criar seu programa de fidelidade

Formas de pagamento que você deve sempre incluir na sua lista

Em junho de 2017, o presidente Michel Temer sancionou a lei que permite aos comerciantes cobrarem preços diferenciados pelo mesmo produto, levando em consideração a forma de pagamento usada. Independentemente do tamanho do seu posto de combustível, há algumas formas de pagamento que são indispensáveis. Especialmente se você pretende diversificar sua base de clientes e crescer no ramo. Confira:

1. Cartões de crédito e débito

Fazer pagamentos via cartão de crédito e débito se tornou muito comum hoje em dia. Muitas pessoas não gostam de carregar muito dinheiro vivo, nem de pagar taxas de saque para continuar preenchendo a carteira. Usar apenas o cartão é bem mais prático e seguro.

Não oferecer essa forma de pagamento pode reduzir a menos da metade o seu público possível. Mesmo que você precise pagar uma taxa para poder manter a máquina do cartão, você ainda terá mais lucro se não tiver de recusar todos esses clientes. Faça as contas e você verá que vale muito mais a pena fazer o investimento.

2. Pagamento mobile

Não é a mais frequente das formas de pagamento, mas pode ser bem útil em alguns momentos. Existem várias pessoas que utilizam aplicativos e créditos de celular para fazer pequenos pagamentos, especialmente se não há nenhum caixa por perto para sacar dinheiro. Dependendo de quais serviços extras você oferece e do tipo de público que você atende, esse método de pagamento pode render alguns clientes extras — e, quem sabe, até fidelizá-los!

Não é muito difícil conseguir esse tipo de pagamento: algumas operadoras vinculam esse serviço a alguma bandeira de cartão. Também é possível se cadastrar em aplicativos de pagamento disponíveis no mercado. Da mesma forma que o cartão de crédito, o custo de investimento pode ser bem menor do que o retorno.

3. Boleto bancário

Esse é um caso especial. Boletos são normalmente usados para compras maiores, mas para as quais o comprador não pode utilizar um cartão de crédito ou débito. É uma solução democrática e simples para a maioria dos clientes. Você talvez tenha vendas maiores para fazer dentro do seu posto de combustível.

Por exemplo: manutenção regular, calibragem, pagamento adiantado por combustível, alimentação, conveniências etc. Muitas coisas que são utilizadas por quem precisa passar muitos dias na estrada, seja a negócios ou apenas viajando. Aceitar que alguém pague por serviços em boleto, adiantadamente, pode fazer toda a diferença.

4. Vales de empresas de transporte

Falando em “dias na estrada”, caminhoneiros e entregadores podem ser alguns de seus clientes mais frequentes. Eles sempre precisam de um lugar para descansar, reabastecer, alimentar, recuperar as energias e voltar para mais algumas horas atrás do volante. Para cobrir todas essas despesas, as empresas contratantes oferecem um cartão pré-pago ao seu caminhoneiro.

Aceitar esse tipo de pagamento é praticamente obrigatório em muitos postos. Os caminhões precisam consumir muito mais combustível do que qualquer carro comum, enquanto o motorista precisa estocar para vários dias, possivelmente sem encontrar mais ninguém na estrada. Realmente, não há motivo algum para perder essa oportunidade de lucro quando ela surge. E garantir que esse público continue voltando, a partir de um bom relacionamento, é extremamente válido.

Vale lembrar, também, que o posto precisa informar — com faixas e placas, por exemplo — quais os modos de pagamento aceitos, segundo os artigos 6º III, 31 e 39 do Código de Defesa do Consumidor.

Agora você entende que oferecer várias formas de pagamento em seu posto de combustível pode aumentar suas chances de fidelizar um cliente. E se você tem clientes fiéis, por que não aproveitar essa vantagem ainda mais? Entre em contato e conheça o software de fidelidade para o seu posto! Tire todas as suas dúvidas e veja como nossas ferramentas podem alavancar seu negócio.


cortar custos

7 dicas para cortar custos sem perder a qualidade em postos de combustíveis

Crise econômica, concorrência acirrada e a necessidade de reduzir gastos para manter o negócio são fatores que exigem dos proprietários de postos de combustíveis uma atenção especial para cortar custos.

A experiência para gerir as receitas e as despesas é um aspecto que influencia no desempenho de uma empresa. Uma organização não pode cometer erros primários, como adquirir mercadorias que não pode pagar, por exemplo. Isso trará dificuldades em quitar outras despesas obrigatórias e de investir para crescer.

Se você está focado em fazer uma boa gestão de finanças, é interessante analisar as sete dicas que vamos apresentar neste post. Confira:

1. Tenha atenção com o fluxo de caixa

O primeiro passo para não perder o controle do orçamento é acompanhar devidamente o fluxo de caixa. Nenhum posto de combustível sobrevive caso não tenha o domínio dos recursos que entram e saem do caixa.

É essencial registrar os gastos fixos que englobam diversos itens, como:

  • impostos;
  • salários dos funcionários;
  • contas de luz e de água;
  • aluguel;
  • encargos sociais.

2. Aposte em tecnologia nos postos de combustíveis

Ficar gerenciando as despesas com planilhas do Excel é uma medida que deve ser evitada ao máximo. É alto o risco de preencher alguma informação de forma equivocada ou de esquecer de fazer algum registro. Esses erros fazem com que o gerenciamento das finanças seja prejudicado.

Ao investir em um sistema de gestão financeira, o posto terá mais condições de verificar os gastos por período e por item (combustível, equipamentos etc.). Assim, é mais fácil avaliar como as despesas podem ser reduzidas e como utilizar o dinheiro para pagar as contas em dia.

Independentemente do tipo de negócio, a tecnologia é uma grande aliada no processo de tomada de decisão. Contar com informações confiáveis e atualizadas é essencial para escolher as melhores alternativas para cortar gastos.

3. Separe as contas pessoais das empresariais

Muitos podem até não acreditar, mas é comum os empresários usarem os recursos financeiros do posto para pagar despesas pessoais. É uma postura que afeta negativamente a gestão financeira do negócio.

Por exemplo, imagine que um posto de combustíveis reservou R$ 5 mil para investir em treinamentos para os funcionários. Porém, um dos sócios resolveu pegar 30% desse dinheiro para quitar dívidas de cunho pessoal. Nesse caso, o estabelecimento não terá condições de investir como deveria para melhorar os serviços.

Isso vai fazer com que os empregados não tenham os recursos necessários para aprimorar os trabalhos, o que pode influenciar na qualidade do atendimento, na obtenção de clientes e no crescimento das vendas.

Quando um empresário usa o dinheiro do estabelecimento para pagar as despesas da família, ele faz com que o posto tenha mais dificuldades para quitar os gastos fixos e os variáveis. Para um negócio ser bem-sucedido, é crucial ter um bom controle dos pagamentos.

Guia completo de criação de metas em postos

4. Faça um planejamento financeiro

Em um momento de crise econômica, é necessário ter muita responsabilidade para não contrair dívidas. Não é o ideal para qualquer empresa pegar empréstimos que não podem ser honrados ou atrasar o salário dos funcionários.

De que maneira você terá menos riscos de enfrentar esses problemas? Uma boa resposta é adotar um planejamento financeiro, que vai permitir um posto de combustíveis a utilizar com mais eficiência os seguintes itens:

  • orçamento;
  • capital de giro;
  • investimentos;
  • metas para redução de despesas.

Quando um estabelecimento tem uma boa gestão das finanças, é possível estipular melhor um cronograma de ações a serem realizadas, como aquisições de mercadorias e manutenções nos tanques de armazenamento.

O planejamento financeiro também está relacionado com o modelo de regime tributário escolhido. No caso das empresas com receita bruta menor que R$ 3,6 milhões, o recomendado é optar pelo Simples Nacional.

Para outros empreendimentos, uma boa alternativa é o Lucro Real, que se baseia no faturamento por mês ou trimestre, incidindo impostos apenas sobre o lucro. Nele, há incidência do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), que é de 15%, e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido, que oscila de 9% a 12%.

Caso não haja lucro, o IPRJ e a CSLL não são cobrados. Os proprietários também devem estar atentos ao pagamento do PIS e da COFINS. Além disso, devem ter muito cuidado com a estruturação comercial e fiscal, porque são importantes para mostrar como a organização está financeiramente.

5. Priorize a sustentabilidade

Você também pode contar com a colaboração dos funcionários para reduzir despesas. Uma opção interessante para atingir essa meta é promover ações com foco na preservação ambiental.

Mostre para os funcionários como algumas práticas podem diminuir o consumo de água, energia, copos descartáveis, papel, entre outros itens. Isso não vai apenas ser usado no ambiente de trabalho, mas também na residência dos colaboradores.

Ou seja, é uma medida que vai contemplar o estabelecimento e os empregados. Além disso, vai gerar mais engajamento, o que aumenta a produtividade e a qualidade do atendimento prestado aos clientes.

6. Saiba controlar o estoque

Sem dúvida, é importante ter um cuidado especial com a qualidade e a quantidade de combustível que será fornecido aos clientes. Contudo, é preciso verificar o estoque de outros itens que serão vendidos, como lubrificantes e óleos.

Dependendo do tipo de produto, o proprietário deve analisar a validade. É prejuízo para um estabelecimento perder uma mercadoria, porque deixou de vendê-la no prazo permitido. Para evitar essa situação, o indicado é fazer uma promoção para atrair os consumidores.

Ao optar por um software de gestão de estoque, um posto terá mais condições de controlar a entrada e a saída de produtos. Assim, será viável adquirir os itens necessários e oferecer preços mais competitivos ao consumidor.

7. Negocie bem com os fornecedores

Com certeza, é importante adquirir produtos de alta qualidade e com custo baixo para atrair o público. Se fizer isso, maiores serão as possibilidades de conquistar mais fregueses. Ao provar ser um bom pagador, o empresário obtém a confiança dos fornecedores.

Isso contribui para negociar melhor as condições de pagamento em relação a valores e ao prazo. Com um planejamento financeiro eficiente, os postos de combustíveis estarão mais preparados para administrar as receitas e as despesas, aumentar o nível de satisfação dos clientes e enfrentar a concorrência.

Se você está interessado em conhecer as melhores práticas de gestão de negócios, assine agora mesmo a nossa newsletter. O conhecimento é essencial para o sucesso!


Motivar funcionários em seu posto de combustível

Aprenda a motivar os funcionários do seu posto de combustível

Como motivar funcionários em seu posto de combustível em período de crise econômica? Encontrar uma resposta para essa pergunta é uma das tarefas mais difíceis para um empreendedor. Isso porque é preciso superar dois aspectos que afetam o desempenho dos colaboradores: o medo de errar e a dificuldade de trabalhar sob pressão.

Mesmo assim, é viável adotar ações com foco em melhorar o ambiente de trabalho, sem fazer grandes investimentos. Afinal, uma gestão eficiente precisa alcançar bons resultados, tendo como prioridade o uso equilibrado das finanças. Prometer algo que não pode proporcionar aos empregados é um tiro no pé, pois gera perda de confiança e de motivação na empresa.

Neste post, vamos abordar iniciativas que contribuem para os colaboradores estarem mais motivados e empenhados em aumentar as vendas do estabelecimento. Confira!

Procure saber as necessidades da equipe

Nem sempre a principal angústia do funcionário está relacionada a benefícios financeiros. Em algumas circunstâncias, melhorar as condições de trabalho é um passo importante para aumentar a produtividade.

Por exemplo, os empregados sentem que precisam ter mais orientações sobre normas de segurança no posto. Então, promova um treinamento para que eles estejam mais tranquilos em relação à prevenção de acidentes.

Também é importante que o gestor converse com os colaboradores para saber o que pode ser feito para as atividades serem realizadas com mais eficiência. Essa medida mostra que o empresário se preocupa com a equipe, o que gera um maior engajamento dos funcionários.

Planeje e saiba como motivar funcionários de um posto de combustível

Não dá para fazer tudo com um simples piscar de olhos. Atualmente, o planejamento é fundamental para efetivar ações que priorizam expandir a produtividade dos colaboradores e a carteira de clientes.

Antes de comentar com os empregados qualquer iniciativa que vai beneficiá-los, o gestor deve ter convicção de que será possível implantar as ações voltadas para o bem-estar deles. Pode ser feito um calendário com a programação das atividades que serão feitas no ano.

Para melhorar o ambiente de trabalho, é viável efetivar uma série de ações, como:

  • aquisição de novos equipamentos (computador, impressora etc.);
  • realizar palestras de cunho motivacional;
  • conceder bônus por desempenho;
  • promover confraternizações com foco na interatividade entre os funcionários.

Com um bom planejamento, o empreendedor pode implantar diversas iniciativas e contar com colaboradores mais motivados e produtivos.

Recompense a equipe

Uma forma de motivar os empregados é valorizar o trabalho desenvolvido. Premiar o time é uma ação que deixa os funcionários mais engajados. Afinal, alcançar uma meta é sinal de que os colaboradores estão empenhados em contribuir para aumentar as vendas e a satisfação do público-alvo.

Imagine que um posto de combustível deseja que o atendimento tenha uma nota média de 9 pontos, em uma escala de 0 a 10. O proprietário estabelece que os funcionários receberão um vale-alimentação extra de R$ 200,00 no fim do ano, caso essa performance seja atingida pela equipe.

Sem dúvida, essa iniciativa fará com que os colaboradores tenham um foco maior em prestar um serviço mais qualificado. Com um investimento modesto, o empresário faz com que os funcionários sejam mais produtivos e atenciosos, o que é fundamental para conquistar os clientes.

A famosa propaganda boca a boca ainda tem um grande poder sobre os fregueses. Ser bem recomendado pelos consumidores é um grande passo para fortalecer a marca e consolidar o reconhecimento do público-alvo.

Faça parcerias para beneficiar os colaboradores

Em uma época de crise econômica, é interessante encontrar alternativas que reduzam as despesas dos funcionários. Um colaborador endividado, normalmente fica propenso a se irritar mais facilmente e menos focado nos serviços.

Para melhorar a qualidade de vida dos funcionários, uma excelente alternativa é contar com parcerias com diversos estabelecimentos. Se for possível, o ideal é que eles estejam localizados nas proximidades do posto.

Por exemplo, o posto faz convênios com um supermercado, um restaurante e uma farmácia. Nesses locais, o colaborador tem um desconto de 10% no valor da conta. Isso faz com que o empregado tenha não apenas comodidade para fazer compras, mas também condições de reduzir despesas e de evitar dívidas.

Guia completo de criação de metas em postos.

Tenha um local para descanso e descontração

Uma pausa não faz mal a ninguém. Ter momentos de repouso e de interação com os colegas de trabalho torna o ambiente mais agradável. Essa regra também vale para um posto de combustível.

Por isso, é válido reservar um local onde os funcionários possam fazer um lanche e conversar. Com certeza, uma equipe tem condições de ser mais produtiva quando há um bom relacionamento entre os membros. Um dos motivos é que a troca de ideias ocorre de forma mais natural, o que contribui para corrigir problemas e criar alternativas que ajudem a aperfeiçoar os serviços.

Comemore os bons resultados

Quem não gosta de sair da rotina? Oferecer momentos agradáveis para os funcionários é uma maneira de cativá-los e de fazer com que estejam mais satisfeitos em trabalhar no posto.

Há algumas opções em que é possível celebrar o bom desempenho da equipe, como:

  • realizar um café da manhã especial;
  • levar a equipe para um restaurante;
  • fazer uma confraternização depois do expediente;
  • promover uma festa de fim de ano.

Esteja próximo dos funcionários

Não adianta um gestor pedir comprometimento dos empregados, quando nem ele adota uma postura voltada para obter resultados expressivos. Um bom administrador deve dar exemplo de determinação e de responsabilidade, caso queira que os funcionários estejam envolvidos com as metas da organização.

Também é importante investir em uma comunicação eficiente e transparente. A recomendação é que sejam realizadas reuniões periódicas com a equipe para não apenas apontar falhas, mas também para elogiar os aspectos positivos das ações realizadas.

Outra maneira de motivar o time é oferecer espaço para os funcionários sugerirem medidas para melhorar os serviços e o ambiente de trabalho. Os funcionários se sentem valorizados quando a organização mostra ter vontade em ouvi-los.

Inegavelmente, há diversas dicas sobre como motivar funcionários de um posto de combustível. Se você gostou das nossas sugestões, faça agora mesmo o compartilhamento deste post nas redes sociais. Afinal, o conhecimento merece estar ao alcance de todos!


franquia de conveniência

Franquia de conveniência: vale a pena para o revendedor?

Com o aumento da quantidade de postos de combustíveis por todo o país, os gestores e donos desses estabelecimentos precisam elaborar novas estratégias para aumentar o fluxo de clientes e, consequentemente, a lucratividade. Nesse contexto, muitos revendedores pensam em ter uma franquia de conveniência em seus negócios.

Entretanto, o receio de fazer essa parceria e ter um resultado abaixo do esperado faz com que muitos proprietários adiem os seus planos e deixem de acrescentar e oferecer novos serviços aos seus clientes.

Dessa forma, além de se tornar um negócio pouco flexível e menos atrativo, os postos acabam perdendo seus consumidores para os concorrentes, que investem e sabem como fisgar o público abrindo uma loja parceira em seus espaços.

Por isso, se você ainda tem dúvidas sobre as vantagens oferecidas por uma franquia de conveniência, elaboramos este post que ajudará você a potencializar as vendas com essa estratégia. Confira!

Postos de combustíveis são mais baratos que outros estabelecimentos

Para os franqueados, abrir uma loja nova em um posto de combustível pode ser um excelente negócio, pois, geralmente, é mais barato do que investir em shoppings ou centros comerciais, por exemplo.

Por essa razão, não será difícil encontrar parceiros e empresas que queiram estar presentes em seu negócio. Basta fazer uma pesquisa e selecionar franquias de qualidade e que têm uma boa reputação no mercado.

Companhias e segmentos que têm bastante pertinência aos postos e costumam fazer sucesso com o público são as lavanderias, cafeterias, lanchonetes e doces.

Afinal de contas, quem é que nunca parou para fazer um lanchinho enquanto o carro passava por uma revisão?

Gera renda extra para o posto de combustíveis

Dessa maneira, pode-se afirmar que abrir uma franquia em uma rede de combustíveis é vantajoso tanto para o franqueado quanto para o dono do posto.

Por um lado, o franqueado se aproveita do fluxo intenso de pessoas no estabelecimento para ter mais clientes e aumentar as suas vendas. Por outro, os donos e administradores dos postos ampliam o dinheiro em caixa, uma vez que as lojas precisam pagar um bom valor para ter o seu espaço.

Se antes o posto tinha um lugar vazio e que não trazia dinheiro algum, depois de fazer a parceria ele terá um espaço atrativo e que renderá um dinheiro a mais no fim do mês.

Fideliza e atrai ainda mais clientes

Naturalmente, os clientes de um posto costumam ser fiéis, uma vez que eles se aproveitam do trajeto diário para abastecer os seus carros. Dificilmente alguém desvia da sua rota para ir a um posto de combustíveis.

Sendo assim, com uma franquia de conveniência disponível, esses consumidores frequentes terão um novo e cômodo serviço à disposição, fazendo com que a preferência pelo estabelecimento só aumente.

Além disso, quem ainda não é cliente do posto, pode se sentir curioso e atraído pela nova loja, passando a frequentar o local e se tornar um novo consumidor da rede.

Nesse sentido, vale lembrar que os movimentos maiores nos postos acontecem pela manhã e pelo começo da noite, quando as pessoas vão e voltam do trabalho, respectivamente. Por isso, é importante que a loja de conveniência esteja aberta e funcionando a todo vapor nesses períodos. Os revendedores também podem fechar um acordo com a Loja de Conveniência e oferecerem ao cliente que as compras sejam feitas, pagas e recebidas direto na pista.

Veja uma medida simples e eficaz para acabar com os assaltos em seu posto

Conta com toda a experiência dos parceiros

Ter uma loja de conveniência é contar com parceiros que já têm experiência no mercado e sabem lidar com o público. Por isso, eles farão com que o seu posto de combustíveis tenha uma imagem ainda mais positiva.

Em meio ao cenário competitivo pelo qual as empresas desse segmento estão passando, as franquias de conveniência surgem como um ótimo diferencial estratégico, agregando valor aos serviços que já são ofertados.

Toda a experiência dos franqueados também pode servir como lição e aprendizado para aperfeiçoar e melhorar os seus negócios.

Transforma um posto em um local de convivência

Para conquistar a preferência dos consumidores, as empresas modernas precisam mostrar que não estão interessadas apenas em lucro. Em outras palavras, as companhias devem ser mais humanas e próximas aos seus clientes.

No caso dos postos, ter uma loja de conveniência é proporcionar às pessoas um espaço de convivência. Muito mais do que dar uma rápida passada para abastecer os veículos, as pessoas poderão sentir vontade de ficar no lugar, de conversar ou simplesmente de tomar o seu café da manhã.

Assim, as franquias podem servir para estreitar a relação entre um posto e seus frequentadores.

Lojas com serviços mais personalizados é uma ótima opção

Apesar de todas as vantagens mencionadas, ter uma loja qualquer não é mais suficiente para conquistar a preferência do público, que está cada vez mais exigente e em busca de serviços realmente diferenciados.

Por isso, ser parceiro de franquias que oferecem produtos personalizados e exclusivos pode ser uma boa ideia. Nesse sentido, em vez de oferecer um tradicional cafezinho, se certifique de que o franqueado possui vastas opções de cafés e bebidas, com acompanhamentos variados.

Assim, muito mais do que ter um novo serviço em seu posto, você fará com que os clientes tenham uma experiência positiva e inesquecível.

Como fechar uma parceria de sucesso

Por fim, para fechar uma parceria de sucesso e ter todos os benefícios mencionados neste post é necessário bastante atenção e cuidado.

Antes de tudo, é preciso fazer uma ampla e cuidadosa análise do que a loja e o franqueado têm a oferecer. Para isso, é preciso avaliar, negociar e até mesmo comparar diferentes empresas.

Também é importante saber o que cada companhia exige para firmar uma parceria, a fim de escolher a loja que esteja mais adequada e alinhada ao seu modelo de negócios.

Depois de ter certeza do que você quer, é só fechar o contrato e colocar os negócios para trabalharem em conjunto.

Portanto, depois de todas essas informações, você deve ter percebido o quanto uma franquia de conveniência tem o potencial de trazer novos clientes e de alavancar o lucro de um posto de combustíveis. Basta escolher os parceiros certos e fazer um planejamento junto deles. Assim, os ganhos serão evidentes para todo mundo.

E agora que você descobriu tudo isso sobre uma franquia de conveniência, aproveite para deixar o seu comentário abaixo. Conte pra gente o que você achou do post e se o seu posto já conta com boas parcerias. Vamos adorar dar continuidade ao bate-papo!