Trabalhamos com revendedores bandeirados e independentes, também conhecidos como bandeira branca. É nítido o grau de satisfação e otimismo elevado dos independentes em relação aos bandeirados, eles iniciam o ano numa posição privilegiada.

Isso é reflexo da política predatória que as distribuidoras trabalham, espremem seus revendedores ao máximo. A cada ano aumenta o número de postos bandeira branca e a tendência é ficar ainda maior com as mudanças previstas pelo governo, uma prova disso é a conclusão da ANP de que não existe impedimento para venda direta de etanol das usinas para postos. A decisão, se for regulamentada, só se aplicará aos postos independentes, os deixando ainda mais fortes.

O Minaspetro, sindicato mineiro, vem abrindo os olhos dos investidores sobre a real situação da revenda e o péssimo relacionamento com as distribuidoras. Na última semana, o presidente do sindicato, Carlos Eduardo Mendes, esteve na XP Investimentos em São Paulo para um reunião com grupo de investidores de RJ e SP. “A distribuidora que não for parceira do revendedor está fadada a perder postos e ver seu marketing share despencar”, diz Cadu. É importante a ótica de um empresário do setor, que conhece a realidade da revenda, para mostrar aos investidores o futuro sombrio que os aguarda.

Esperamos que a entrada de novos players no mercado (Glencore, Vitol, Total, Petrochina ) mude os modelos de contratos da distribuidora com o revendedor e crie uma relação de parceria. Tomara que não façam disso um empréstimo bancário como as atuais distribuidoras fazem, onde pagam R$0,05 antecipados por litro contratado e cobram R$0,15 ao longo do período contratual.

É importante que o revendedor bandeirado tenha orgulho de vestir a camisa da distribuidora novamente, isso não ocorre hoje ainda mais quando o fornecedor vende o mesmo produto R$0,15 mais barato para seu concorrente bandeira branca, prejudicando seu parceiro e causando prejuízos.

Que em 2019 você analise bem o cenário de sua cidade antes de renovar o contrato com sua distribuidora, que não se iluda com o dinheiro fácil do contrato novo e lembre-se o quão desgastante e longos foram os anos de parceria com sua distribuidora. Se assinar novo contrato, busque sempre uma facilidade na cláusula de saída, sem multas e amarras de volume. Trabalhe para ter preço baixo de custo e não um valor de bônus no contrato.

Comece 2019 reduzindo os custos do seu posto!