Um dos maiores desafios para mim, que ainda não tenho estrutura e tamanho para ter setores  direcionados como o de RH, e concentro quase que 100% das funções do posto em duas pessoas só, sendo eu uma delas, era conseguir um contato mais vívido com meus colaboradores, um endomarketing, para que dia a dia a cultura da empresa, e as informações fossem veiculadas e assimiladas com mais facilidade.

Fique em uma fila de um banco, ou na sala de espera de um aeroporto, e provavelmente 80% das pessoas estarão com seus celulares em mãos e olhos vidrados apenas nele. É um fato que não cabe a nós definir como certo ou errado, mas sim utilizar acessório que já se integrou na vida das pessoas, da melhor maneira possível.

No começo me questionei muito sobre a capacidade de utilizar uma ferramenta de comunicação para um contato mais direto com meus colaboradores, mas acabei me rendendo a ela. Por ser algo extremamente novo no meu cenário, tive que ter alguma cautela, mas acho que tem dado resultado. A ferramenta que tanto digo é o aplicativo para troca de mensagens instantâneas, o conhecidíssimo whatsapp, ou puramente: zap.

Algo que olhamos constantemente, várias vezes ao dia, às vezes até mesmo antes de levantar da cama, e só deixamos de lado alguns segundos antes de dormir, pode ter alguma função útil para o nosso negócio. Parece até contraditório, já que exigimos dos nossos colaboradores que não portem os celulares na pista, mas se bem negociado e informado, consegue-se um resultado satisfatório.

Anunciei que me comunicaria por essa ferramenta, pelo próprio whatsapp. Criei uma lista de transmissão (não grupo, jamais grupo) com todos os colaboradores em um número de telefone secundário que tenho para uso interno da empresa e gravei um vídeo simples informando que a partir daquele momento, algumas das informações seriam passadas exclusivamente por lá, e que existiam algumas regras para continuarmos nessa dinâmica, e uma delas seria que, em momento algum deveriam usar os celulares na pista (reforçando o já combinado desde sempre), mesmo com a justificativa de que se estava checando informações da empresa.

Obviamente não são todas as informações que eu passo pela lista de transmissão, e ela também não me eximiu de conversas cara a cara, nem de reuniões periódicas (inclusive me valho dessa lista para marcar e confirmar reuniões).

Creio ter dado certo, e hoje em dia tenho um compromisso quase que diário de passar informações para manter o colaborador sempre engajado. Caso não tenha algum assunto específico, compartilho alguma frase ou vídeo motivacional que vi em outro lugar, além de informações do nosso setor, para que as pessoas que ficam no front da empresa não sejam alienadas apenas pelas
informações que veem na mídia tradicional.

Tenho feedbacks constantes, e quando algum colaborador por ventura troca o número do celular, a primeira coisa que faz é me avisar para ser novamente inserido na lista. Qualquer ferramenta que se use pode ser benéfica ou maléfica, para ter o melhor resultado possível é necessário entender a sua finalidade, e a minha é estar mais próximo dos meus colaboradores, passando informações de maneira sempre profissional, e educada, sem denegrir nem expor ninguém, e venho tendo bons resultados com isso.

feedback funcionarios

Guia completo de criação de metas em postos