Desde que teve início a nova política de preços pela Petrobras, com alterações diárias de preços dos combustíveis, a revenda vem sofrendo para se adequar. Neste post apresento os  5 principais reflexos negativos que observo desde então.

1- Compra do combustível

O principal reflexo negativo foi a relação comercial com o assessor da distribuidora. Perdemos o poder de negociação e não conseguimos mais um parâmetro de preços. A oscilação de preços deixa a distribuidora com maior margem, já que não adianta brigar hoje por uma melhor condição comercial se amanhã os preços irão mudar novamente. Uma dica: se você tem uma rede de postos,  é interessante que tenha pelo menos um posto Bandeira Branca. O mercado spot é mais dinâmico na apresentação dos custos do combustível, já que o  revendedor pode optar de qual distribuidora comprar.

2- Transporte de combustível

Terceirizo o transporte de combustível e antes dessa nova política da Petrobras fazia a ordem de compra no dia anterior. Hoje observo diariamente às 9h da manhã a atualização no site da Petrobras que apresenta os valores do combustível para o dia seguinte. Diante dos custos do combustível para o dia posterior eu decido se compro ou não o combustível hoje. Se o preço subir amanhã e eu tenha espaço no tanque eu posso comprar mais quantidade, mas caso haja queda nos preços de amanhã e meu estoque seja suficiente eu abdico de comprar e aguardar o dia seguinte.

Enfim, as empresas de transporte de combustível que antes tinham maior produtividade nas entregas, com mais viagens diárias, hoje ficam com caminhões parados aguardando a emissão ou não da Nota Fiscal do produto para seguir a viagem.

3- Repasse de custos para os correntistas

Os correntistas do posto de combustível são uma importante renda e geram um volume de faturamento mensal ao posto. Com essa nova política de preços fica difícil ter um repasse justo e rápido para os mensalistas, já que é feito normalmente uma negociação com descontos sobre determinado valor e um prazo a pagar. No comércio não conseguimos aplicar na prática uma atualização de preços tão rápida.

4-  Mudança na placa de preços

A alteração de preços diária na placa é outro empecilho. Nosso cliente acompanha os valores sempre que passam em frente ao posto. Qualquer mínima alteração é um motivo para alguns clientes mudarem o seu posto favorito e muitas vezes o revendedor vizinho não trabalha com tanta agilidade na alteração dos preços de venda. Essa omissão de repasse de custos está acabando com a margem de lucro da revenda pois, ao invés de alterar na placa de preços o revendedor fica torcendo por uma queda nos custos do dia seguinte e sempre aguardando um aumento grande para o repasse.

5- Fluxo de caixa

As margens caíram, o revendedor não consegue repassar os custos, mas o fluxo de caixa necessita de maior capital de giro. Com o aumento do custo do litro do combustível o valor desembolsado pelo motorista facilmente passa de R$200,00 em um abastecimento e a opção do cartão de crédito é cada vez mais utilizada. Com isso o revendedor às vezes antecipa o cartão de crédito além de mais capital de giro para conseguir honrar suas compras no curtíssimo prazo e o recebimento ao longo de 30 dias.

Atualmente para o setor de revenda, os postos bandeira branca se tornaram uma opção menos onerosa e com mais chances de rentabilidade para o revendedor, pois o possibilita comprar combustíveis por preços mais baixos, o que aumenta a competitividade do estabelecimento; já para o consumidor brasileiro que tem um mercado de combustíveis com preços elevados, qualquer economia na bomba tem grande importância. E o posto independente está se tornando cada vez mais uma decisão do consumidor.

Guia completo de criação de metas em postos