Com toda certeza, no mercado de revenda de commodities, que é o caso de Posto de Combustíveis, o fator custo pode determinar o sucesso ou fracasso do negócio. Trabalhamos com uma margem muito pequena e o custo será sempre uma prioridade para o revendedor. Como praticar um custo menor que o meu concorrente?

Pressionados pelas dificuldades de mercado ou obcecados pelos lucros, os revendedores saem cortando tudo o que podem, e muitas vezes, o que não devem. Cortam pessoas, cortam processos fundamentais de qualidade, pressionam seus fornecedores, atrasam pagamentos, reduzem preocupações com segurança e meio ambiente, etc. Mas estes cortes podem gerar uma série de consequências negativas, deixando precários os produtos e gerando descontentamento em clientes.

É muito melhor, então, pensar em redução de custos como uma consequência e não como um fim em si próprio. Por exemplo, focando nos processos e atividades, eliminando os desperdícios que ocorrem por todos os lados. São desperdícios que existem de todas as formas: de tempo, de vários tipos de recursos, como pessoas, equipamentos, instalações, conhecimento, espaços etc…

Mas como fazer isso num posto de combustíveis? Parto do princípio que o seu concorrente é um empresário honesto, que possui as mesmas dificuldades para honrar os encargos e impostos de qualquer um. Siga então as 8 dicas abaixo e veja como cortar custos pode ser mais simples do que você imagina.

Análise de mercado: vale conhecer, por exemplo, o quanto os seus concorrentes estão pagando em média em seus combustíveis. O Posto bandeirado tem um custo médio adicional de R$0,12 a R$0,15 em relação aos postos bandeira branca. Exija de seu fornecedor que seu custo seja competitivo, cada centavo pode representar muito no final do mês.

Envolva seus funcionários: estimule o consumo consciente de energia, hora extra, água, papel, copos descartáveis, entre outros.

Layout do posto: postos menores normalmente têm maior velocidade de atendimento, maior produtividade de funcionários, grande volume de vendas por m² construído. O volume total é limitado pela área construída e o cliente muitas vezes fica na fila aguardando o abastecimento. O modelo de cobertura 14mx14m, chamado “Square” foi muito utilizado pela Esso no passado e continua como uma boa solução de custo benefício.

Operador de caixa: a maioria dos estados já utilizam a NFC-e, ao utilizar um POS que já conecta com o software de gestão e o frentista consegue desafogar o caixa e às vezes até extingui-lo. Incentive os frentistas a fazerem todas as operações de fechamento de caixa pelo POS em horário vago, eles mesmos devem depositar no cofre a sua sangria.

Eco-eficiência: estude a implantação de energias renováveis, como energia fotovoltaica e reuso de água de lava a jato.

Gestão de demanda de frentistas: Existem ferramentas disponíveis que calculam os melhores horários de intervalos durante o turno e a quantidade de funcionários necessários. Cruzamos dados para avaliar se naquele instante a quantidade de colaboradores está compatível com as vendas.

Gestão de Metas: também disponível, exclusivamente para Postos de Combustíveis, uma ferramenta onde os frentistas conseguem visualizar ao vivo as vendas e quantos abastecimentos precisam realizar para bater a meta estabelecidas, seja diária ou mensal.

Cartões de crédito e débito: negocie as taxas de operadoras de cartões de crédito e débito. Faça isso sempre, não assine um contrato longo com as adquirentes. Tenha uma ferramenta de conciliação de taxas.

Essas 8 dicas irão te ajudar a ser mais competitivo e produtivo. Com um custo menor que o seu concorrente, terá um diferencial enorme e pode ter uma margem de lucro interessante. Não use esse diferencial para abaixar o seu preço, procure agregar algo mais que não seja somente a placa de preço.

Tome muito cuidado com a distribuidora: normalmente o posto bandeirado está sempre em desvantagem nos itens listados acima.