Sabemos o quão importante o transporte rodoviário é para a economia de nosso país. Como a maioria das movimentações de pessoas, cargas e combustíveis acontece por ele, é essencial utilizar práticas e estratégias que favoreçam o seu desempenho. De nada adianta realizar um frete dentro do prazo, se ele não está de acordo com as questões ambientais. Portanto, um revendedor precisa ter muito cuidado ao contratar uma empresa de transporte terceirizado de combustíveis.

Nessas horas, alguns profissionais ficam com dúvidas em relação às responsabilidades e melhores práticas sobre esse assunto. Qualquer atitude equivocada pode colocar o futuro de sua gestão em risco.

Por isso, neste post, você vai aprender seis importantes cuidados a serem levados em consideração nas suas decisões. Tenha muita atenção em sua leitura e tire suas dúvidas!

Os tipos de contratação de frete

O contrato de um frete deve ser realizado de acordo com as necessidades e objetivos da empresa, levando em consideração a segurança e o preço cobrado. Existem dois tipos de serviços amplamente utilizados no mercado:

  • frete CIF (Cost, Insurance and Freight): modalidade em que o fornecedor é responsável por todos os riscos e custos com a entrega do combustível. Pode ser um pouco mais caro, mas é muito mais seguro e cômodo;
  • frete FOB (Free On Board): situação em que o comprador se responsabiliza por todos os riscos e custos da entrega. Mesmo que haja a terceirização do serviço, a empresa ainda tem todas as responsabilidades.

O frete CIF é a opção mais adotada. Isso acontece, pois a responsabilidade só passa a ser do posto a partir da entrega do combustível no tanque. Antes disso, a distribuidora contratada é responsável por todos os procedimentos.

As consequências dos acidentes ambientais

A preservação da natureza é uma obrigação de todos. O uso dos recursos naturais de forma indevida coloca em risco o futuro das próximas gerações e deve ser combatido de qualquer maneira.

O vazamento de combustíveis tem como principal consequência a contaminação do solo e das águas subterrâneas. Seus componentes químicos alteram as propriedades do subsolo e dos aquíferos, podendo comprometer a fonte de abastecimento de inúmeras pessoas.

Esses casos são caracterizados como crimes ambientais e são autuados segundo a Lei dos Crime Ambientais de 1998. Suas multas variam muito e alcançam cifras altíssimas.

Como o revendedor é corresponsável pelo transporte, a escolha de uma empresa para realizar o transporte terceirizado deve ser feita com muita cautela. Não se esqueça de que planos de recuperação dos danos causados ainda podem ser aplicados, tornando mais grave a situação de seu orçamento financeiro.

Veja, agora, seis práticas que melhoram a sua gestão, garantem ótimos resultados e respeitam a natureza.

1. Treinamento de funcionários

Os funcionários são também responsáveis pela garantia de uma boa performance do estabelecimento. Independentemente do ramo de atuação, eles precisam ser treinados e orientados da melhor maneira possível. Como os acidentes no transporte rodoviário, na maioria dos casos, acontecem por falhas humanas, qualquer prática que reduza esses números deve ser utilizada o quanto antes.

Os treinamentos mantém os motoristas e todos os outros funcionários atualizados com o que há de mais moderno e eficiente no mercado. Além de trazer mais segurança para o transporte de combustíveis, eles também favorecem o aumento da proteção da carga e do meio ambiente.

Com colaboradores bem preparados, é possível superar metas e vencer obstáculos com mais facilidade.

2. Conhecimento sobre as leis ambientais

A legislação ambiental brasileira é uma das mais rígidas e completas do mundo. Entretanto, alguns empreendimentos ainda buscam maneira de burlá-la, e isso traz péssimas consequências para a nossa sociedade. Desse modo, você deve conhecer todas as leis, normas e regras que regulamentam esse setor. Abaixo, citamos alguns de seus exemplos:

  • Resolução 420/04 da Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT) – Instruções complementares ao regulamento do transporte terrestre de produtos perigosos;
  • Decreto 1.832/96 – Regulamento dos transportes ferroviários;
  • Resolução 273/00 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA);
  • NBR 7500 – Identificação para o transporte terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produtos;
  • NBR 7501 – Transporte terrestre de produtos perigosos – Terminologia;
  • NBR 9735 – Conjunto de equipamentos para emergência no transporte terrestre de produtos perigosos.

Um único passo para aumentar as vendas do seu posto!

3. Uso de novas tecnologias

Os avanços tecnológicos mudaram a maneira como as empresas interagem com clientes, parceiros, fornecedores e concorrentes, e não poderia ser diferente para o transporte terceirizado. Já que o mercado consumidor está cada vez mais competitivo, é muito importante atualizar os equipamentos e as frotas utilizadas em suas atividades.

Por exemplo, o rastreamento em tempo real é obrigatório e faz com que a empresa tenha controle sobre a movimentação de seus combustíveis. Dessa forma, é possível determinar a melhor rota a ser percorrida e acompanhar o andamento das operações. Lembre-se também de que isso facilita a solução de problemas que atrapalham o desempenho dos motoristas, como acidentes nas pistas.

4. Histórico no mercado

Escolher uma transportadora terceirizada pode não parecer uma tarefa fácil. Mas ao tomar medidas prudentes e eficientes, você garante o sucesso do seu posto. Então, analise muito bem quais são as opções disponíveis no mercado.

Nessas horas, leve em consideração os objetivos de sua empresa, o preço cobrado e o histórico operacional. Ofertas com um preço inferior ao cobrado no mercado, na maioria dos casos, evidenciam a má qualidade na prestação de serviço. Fique muito atento para fugir dessas situações e evitar problemas em sua gestão.

5. Análise de riscos

Os produtos perigosos são compostos encontrados na natureza ou produzidos por qualquer processo que apresentam características físico-químicas que trazem riscos ao meio ambiente e às pessoas. Eles são classificados da seguinte maneira:

  • Classe 1 – Explosivos;
  • Classe 2 – Gases;
  • Classe 3 – Líquidos inflamáveis;
  • Classe 4 – Sólidos inflamáveis, substâncias sujeitas a combustão espontânea, substâncias que em contato com a água emitem gases inflamáveis;
  • Classe 5 – Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos
  • Classe 6 – Substâncias tóxicas e infectantes;
  • Classe 7 – Materiais radioativos;
  • Classe 8 – Substâncias corrosivas;
  • Classe 9 – Substâncias e artigos perigosos diversos.

A condução de cada um deles só pode ser realizada se antes for feita uma análise de riscos. Ela deve ser fundamentada nos danos e nos impactos ambientais que os problemas em seu transporte podem acarretar.

Nessas horas, é muito importante identificar e discutir todas as possibilidades de acidentes, a fim de criar um plano de ações focado na segurança de todos.

Existem vários tipos de seguro para garantir a estabilidade em sua gestão. Como imprevistos acontecem quando menos se espera, é fundamental estar preparado para solucioná-los. Os seguros podem ser das seguintes classificações:

  • seguro de vida dos motoristas;
  • seguro ambiental;
  • seguro de incêndio, raio e explosão;
  • seguro de carga;
  • seguro transportador.

Este último cobre os danos materiais que acontecem durante o transporte de bens e produtos causados por colisões, capotagens, tombamentos e explosão do veículo transportador. Além do mais, todos eles garantem a segurança no transporte de combustíveis, já que a falta de seguro deixa o revendedor desprotegido.

6. Cuidados com os trabalhadores

O transportador tem que entregar todo mês o extrato de pagamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) do motorista e de todos os outros encargos sociais, como o INSS. A conferência desses extratos é fundamental para deixar o Posto de Combustível isento de problemas trabalhistas que poderiam respingar sobre a empresa caso a transportadora não cumpra suas obrigações trabalhistas. Além disso, os salários dos motoristas devem ser pagos de maneira correta.

A revisão dos caminhões, os processos de manutenções e as aferições do Inmetro garantem a prestação de um serviço de qualidade e com muito segurança.

O transporte terceirizado de combustíveis tem grande importância no desempenho de um posto. Trabalhar com uma empresa qualificada e eficiente garante o sucesso do negócio sem que danos sejam causados à natureza. Então, conheça as suas responsabilidades e saiba cobrar um serviço de qualidade de seus parceiros de trabalho.

E então, gostou do nosso conteúdo? Compartilhe-o em suas redes sociais para que seus amigos também possam aprender sobre o assunto!